Monthly Archives: janeiro 2016

SECRETÁRIO ALEXANDRE DE MORAES CUMPRIU A PROMESSA DE

INCLUIR A “FEIPOL” NO GRUPO DE TRABALHO PARA ANALISAR PROPOSTAS

PARA INTEGRAR O PLANO DE REESTRUTURAÇÃO DA POLÍCIA CIVIL.

TAMBÉM INCLUIU A ADPESP – RESOLUÇÃO SSP-3 DE 07/01/15

RELATÓRIO DA AUDIÊNCIA NA SSP

A reunião do dia 06/01/2016 teve início às 15h45min. As Entidades cobraram enfaticamente a reposição salarial do ano de 2015, que não pode ser esquecida. Conhecemos muito bem o passado em outros Governos em que os salários dos Servidores Policiais Civis sofreram profunda defasagem, até hoje impactados.

Não só. Também foi cobrada a reposição salarial para 2016. Assim sendo, a reposição salarial de 2015, ainda que tardia, é um imperativo, não podemos abrir mão. O Governo tem Secretarias de Planejamento e Gestão justamente para planejar o futuro e gerir o presente. Não ter dinheiro agora é sinal de má previsão, planejamento e de gestão financeiramente mais contundente em outros setores que não o de pessoal policial.

Foi incisivamente cobrado o reajuste da Ajuda de Custo Alimentação.

A reposição de servidores foi um capítulo a parte. Não precisamos explicar a nenhum dos leitores a situação caótica em que se encontra o quadro de pessoal. Os fins não podem justificar os meios. Não é justo o administrador olhar apenas para metas, esquecendo de lutar por sua Instituição, enquanto massacra o servidor, tolhendo-lhe momentos de descanso e de pouco lazer.

Vislumbrando esse objetivo que, no passado, nos deixaram alguns poucos, o presente legado.

A antiga política do “ESTÁ TUDO BEM NA MINHA REGIÃO” é ultrapassada, superada mesmo.

Ao bom gerente TUDO NUNCA ESTÁ BEM. Pois se estivesse, ele não seria necessário.

Cabe ao Governo valorizar seus servidores. Jogar a responsabilidade de melhorar o atendimento exclusivamente nas costas do Policial é assistir de camarote ao fim do fim, e assinar um fracasso histórico.

Todas as demais carreiras, agentes, carcereiros, auxiliares, etc esperam por valorização.

O salário inicial precisa ser implementado.

Precisamos que o Governo cesse com a injusta retroação na classe, na aposentadoria.

Precisamos do reconhecimento formal da paridade e integralidade.

Precisamos de melhores condições de trabalho no litoral.  O SINPOLSAN defendeu com unhas e dentes a melhora das condições de trabalho em Santos e Região.

RESPOSTAS

O Senhor Secretário Alexandre de Moraes ouviu, mais uma vez, todas as reivindicações.

E ponto a ponto foi argumentando.

1 – a arrecadação do Estado está muito ruim. O limite prudencial PODE SER ULTRAPASSADO quando o assunto é a SEGURANÇA PÚBLICA, mas só se houver dinheiro. E havendo dinheiro a prioridade do Secretário são as contratações do concurso de 2013. Declarou que este ano está disposto a não investir em  compras. Intenciona usar qualquer recurso financeiro que entrar, na valorização do pessoal;

2 – havendo possibilidade financeira no primeiro trimestre, se propôs a discutir reposição salarial de 2015.

3 – está tentando convencer o Procurador Geral do Estado a mudar o entendimento sobre a retroação na classe. Esse entendimento já mudou no MP que roda sua própria folha de pagamento.

4 – a DEJEC será sancionada no dia 13 de janeiro de 2016, pelo Governador; a regulamentação será feita em seguida pela D.G.P.;

5 – sugerida a contratação de funcionários administrativos para a questão burocrática da Polícia, até mesmo na confecção de ocorrências policiais;

6 – solicitou ideias de como parar de fazer as OCORRÊNCIAS NÃO CRIMINAIS, sem deixar de atender ao público. O SIPOL sugeriu guias de encaminhamento, as mesmas que o POUPA-TEMPO emite ao enviar cidadãos às unidades policiais. Encaminhamentos ao PROCOM, ao MP, à DEFENSORIA, ao CONSELHO TUTELAR, ao próprio POUPATEMPO, etc. Afinal, encaminhar É ATENDER;

7 – indicará membros das Entidades para compor grupos de Estudos de interesse dos Policiais Civis.

Em edição …

AUDIÊNCIA NA S.S.P. DIA 06/01/16 – 15H00 – SIPOL ESTARÁ PRESENTE

Para refletir:

PT reajusta salário mínimo em 11.6% cumprindo a Lei Maior

PSDB reajusta salário da PC em 00,0% ignorando a Lei Maior