REUNIÃO COM DELEGADO GERAL – Ouça a leitura da Carta lida pelo Presidente do SIPOL

Fábio Morrone ao Excelentíssimo Delegado Geral na abertura da Reunião.

O Delegado Geral foi extremamente enfático e claro ao dizer que, em 2015, o Governo não anunciará qualquer reajuste. A contrariedade dos presentes foi manifesta e, o principal temor é que revivamos a obscura ERA COVAS. Funcionário de empresa alguma, em setor algum, fica sem reajuste anual.

Em 15 de janeiro de 2015 o Governador, antes mesmo da data base dos Policiais Civis, reajustou o próprio salário em 4,7%.

No mesmo dia foi publicado o reajuste do salário dos Secretários, inclusive da Segurança Pública, em 17,8%.

O PSDB em grande parte do Brasil todo vem alertando o cidadão, desde ANTES DAS ELEIÇÕES DE 214 a existência de uma já “crise” causada pelo PT.

O Governo conseguiu passar um ano sem reajustar o salário dos Policiais, se amparando em um mero decreto, jogando o texto constitucional no obscurantismo.

Daqui menos de meio ano já chegaremos em OUTRA DATA BASE. Antes disso deveria o Governo comparecer recebendo as Entidades de Classe, e propondo soluções, num esforço conjunto, para 2015 antes mesmo do anúncio de 2016.

As Entidades de Classe vão se encontrar nos próximos dias em BAURU-SP para definir a ação CONJUNTA que será tomada este ano.

FIM DO PEDÁGIO DE 5 ANOS E RETORNO DA CORREGEDORIA

Perduram as promessas de que ainda este ano seja revista a posição da Procuradoria do Estado em relação aos 5 anos na classe para aposentadoria sem retroação e o retorno da Corregedoria para a Polícia Civil.

AUDIÊNCIA COM O GOVERNADOR

O Delegado Geral solicitou a carta lida na abertura da reunião pelo SIPOL. E disse que os argumentos ali apresentados sugerem sim a necessidade da tentativa de uma audiência. Para o que a FEIPOL indicará dois representantes.

DEJEC

Uma Portaria será confeccionada na Secretaria de Segurança Pública com a Participação do Delegado Geral de Polícia para regulamentar a DEJEC após a publicação da Lei que a instituirá. A FEIPOL apresentará formalmente as necessidades das unidades do interior, do pessoal que trabalha em plantão de “expediente”, para que possam se beneficiar da medida.