“MANIFESTAÇÕES NAS SEDES DOS DEINTER’S CONFORME

ATA DA REUNIÃO DA FEIPOL EM CAMPINAS:

AGUARDAMOS ORIENTAÇÃO DA FEIPOL”

Desde nossa AGE realizada em 23/02/2016 estamos mobilizados aguardando o posicionamento da FEIPOL/SE, a qual por sua vez depende que as demais Entidades de Classe que a integram, também assinalem de forma positiva sobre a mobilização de suas bases.

NUNCA MAIS HAVERÁ OUTRA GREVE COMO A DE 2008!

Acompanhando as redes sociais e grupos de WhatsApp vemos a forma nostálgica com que vários colegas se referem ao movimento paredista de 2008. Realmente aquele evento foi um divisor de águas para todos nós. Não nos referimos nem à Instituição, mas sim aos Policiais Civis os quais passaram a enxergar com maior nitidez que não somos heróis, mas sim trabalhadores especialistas em SEGURANÇA PÚBLICA, e desta forma abarcados por uma série de direitos que até então considerávamos como mero favor do Estado Patrão. Então nós lhes asseguramos sem medo de errar, faremos muito melhor do que fizemos em 2008!

O MOMENTO É EXATAMENTE ESTE!

Alguns colegas se conformam com a nossa realidade valendo-se da seguinte expressão:

“ESTE NÃO É O MOMENTO OPORTUNO! ESTAMOS PASSANDO POR UMA CRISE!”

“CRISE” É O ARGUMENTO DO MOMENTO.

O GOVERNO NUNCA DISSE E NUNCA DIRÁ: TEMOS DINHEIRO

Que crise é esta que dura 20 anos?

Quais benefícios nós tivemos neste período?

Se estamos em crise por que algumas carreiras do serviço público foram reestruturadas?

Se estamos em crise por que alguns segmentos do serviço público foram beneficiados pela reposição salarial e até aumento?

Que crise é essa que se esvaziam Delegacias de Polícia por falta de efetivo e lotam-se de terceirizados os POUPATEMPO?

Por que retiraram os estagiários da FUNDAP das Delegacias de Polícia e não os terceirizados do POUPATEMPO?

E o DETRAN? Antes a Polícia Civil fazia de graça este serviço e agora qual é o orçamento do DETRAN? De onde sai este dinheiro?

Como explicar o fato que algumas Unidades Policiais terem mais viaturas do que efetivo?

Então nos expliquem: QUANDO SERÁ O MOMENTO OPORTUNO?