Brasil: STF concede prisão domiciliar a empresários X Indonésia: criminosos são fuzilados

Oito ou oitenta?

Ou algo está podre no reino da Dinamarca?

Tudo bem: muita gente, provavelmente a avassaladora maioria silenciosa é contra a pena de morte.

Mas será que são contra uma “Justiça” que prenda e mantenha preso (a)?

Os EUA têm o dobro do número de presos que o Brasil. Mas isso porque eles prendem, e mantém presos. Por isso o número só aumenta.

Se contabilizarmos o número de vagabundos que entraram e saíram das nossas unidades prisionais (que mais parecem shoppings centers devido o entra e sai frenético), o tamanho da nossa população carcerária seria absurdo. Podemos dizer que temos nas cadeias uma “população flutuante”, a “população dormitório” e a “população empresarial”.

O Brasil carece de sociólogos e de gente que ouça os poucos que temos.

Luis Flávio Gomes:

*”O direito é instrumento de poder. Nada no mundo jurídico é construído ao acaso. A pena de prisão foi feita pelos donos do poder, não (evidentemente) para os donos do poder. Sérgio Moro rompeu com essa lógica do sistema. Mas sua rebeldia (inclusive frente ao ordenamento jurídico) não durou nem cinco meses. Por 3 votos a 2, o STF (Segunda Turma) deferiu o habeas corpus impetrado por Alberto Toron e mandou soltar nove executivos das empreiteiras envolvidas na Lava Jato, incluindo Ricardo Pessoa, dono da UTC, que foi acusado de ser o “chefe” desse cartel (desse clube) que, desde Juscelino Kubitschek, mancomunado com agentes financeiros, políticos e altos escalões administrativos, exercita, de forma continuada, uma das mais nefastas roubalheiras cleptocratas do país (corrupção e fraudes nas licitações públicas, que financiam as campanhas eleitorais de praticamente todos os políticos)”.

* http://professorlfg.jusbrasil.com.br/artigos/184206974/prisao-nao-foi-feita-para-os-donos-do-poder?utm_campaign=newsletter-daily_20150429_1099&utm_medium=email&utm_source=newsletter